Economia

ECONOMIA

Segundo dados da SEi/IBGE, o PIB do município para 2003 foi de R$306,18 milhões, sendo 4,04% para agropecuária, 51,21% para indústria e 45,14% para serviços.

MINERAÇÃO

Na indústria que rende 51,21% do PIB municipal possui importantes mineradoras. A mineração é a maior fonte de riqueza da cidade, sendo o setor em que a maior parte da população se encontra empregada. Conta com ricas jazidas de magnesita, talco, existindo outros minerais tais como: vermiculita, dolomita, cristal de rocha e granitos dos mais variados. Possui ainda a terceira maior mina de magnesita a céu aberto do mundo, na localidade da Vila Pedra Preta, além de possuir algumas cerâmicas às margens do Rio do Antônio que corta a cidade.

COMÉRCIO

O comércio é gerenciado pela Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) e tem obtido avanços significativos, colocando o município em condições de almejar melhor classificação no ranking do estado da Bahia. O seu IDH está em plena ascensão.

PECUÁRIA

Na pecuária, destaca-se em rebanhos com os seguintes dados: bovino, 40.258 cabeças; suínos, 13.768 cabeças; caprinos, 22.541 cabeças e ovinos, 7.723 cabeças, além de um rebanho de 42.818 cabeças de frangos, galinhas e pintos. Destaca-se na área de caprinos e ovinos por causa do clima semiárido no qual estas espécies são bem adaptadas.

AGRICULTURA

A agricultura é pouco explorada no município em consequência do clima seco que não favorece os pequenos e médios produtores rurais. Porém o município desenvolve significativas culturas agrícolas temporárias como: algodão (675 toneladas anuais), melancia (96 toneladas), umbu (642 toneladas), mandioca (1.450 toneladas), feijão (240 toneladas) e o cultivo de mamona (3 toneladas) que tende a crescer, em consequência do incentivo dos governos na produção do biodiesel.

 

Fonte: IBGE

   Compartilhar no Facebook    Compartilhar no Whatsapp